Foco do Brasil

Paulo Guedes fala em aumento de lotes de vacina a curto prazo Da Redação - 08/03/21 20:35

Imagem: Reprodução

Após encontro com o Presidente Jair Bolsonaro e o Ministro das Comunicações Fábio Faria, o Ministro da Economia Paulo Guedes, junto a Airton Cascavel, assessor especial do Ministro da Saúde Eduardo Pazuello, falou nesta sexta-feira (05), sobre a compra das vacinas, defendeu a vacinação em massa contra Covid-19, o aumento de lotes de vacina a curto prazo, soluções e posições, confira:

Paulo Guedes:

De 20 Bilhões de reais nós já tínhamos garantido 400 milhões de vacinas, ou seja, basicamente para atender a população brasileira toda esse ano. Mas a nossa grande luta, a grande guerra… como economia e a saúde andam juntas, é antecipar a vacinação em massa.

Então todo esforço é para antecipar, e o nosso pedido calou fundo a Pfizer, o pedido do presidente Bolsonaro à Pfizer calou fundo e nós conseguimos praticamente uma declaração de que o acordo tá fechado, eles vão aumentar o lote de curto prazo em quase 50%, que eram mais ou menos 10 milhões, eles vão dar mais 5 milhões, então essa vacinação de curtíssimo prazo…

eles aumentam lote de 5 milhões e também o mais importante para nós, é que nas negociações anteriores o maior lote estava no último trimestre do ano, e nós queríamos exatamente trazer, e conseguimos então trazer o compromisso, que vamos trazer aí em torno de 20 milhões.

O que estamos conseguindo é basicamente aumentar os lotes a curto prazo… de vacina a curto prazo, e também a antecipação do que seria no último trimestre do ano, para passar para o terceiro trimestre uma boa parte dessas vacinas, então de forma que a gente possa ir mais esses dois próximos trimestres aí, a gente possa ter obtido a vacinação em massa que nós queremos.

Nós todos sabemos que é a solução para o Brasil agora, vamos assinar, para manter justamente a imunidade da população brasileira e ao mesmo tempo permitir também a preservação dos sinais vitais da economia brasileira. É o que nos interessa porque a saúde economia andam juntos. A produção da Pfizer está aumentando.

A Pfizer estava produzindo um milhão e meio de vacinas dia, ela está produzindo agora cinco milhões de vacina dia, então ela em curtíssimo prazo, ela não pode mudar muito, então o compromisso dele foi de antecipar algumas vacinas para nós, então estamos em torno de 9 milhões, ele aumenta mais cinco no trimestre a frente, lá na frente também o que tinha no quarto trimestre ele está tentando também puxar para o terceiro,

mas como uma produção dele está aumentando bastante, foi o que ele disse, ele está tendo um problema no mundo inteiro que tá todo mundo pedindo mais vacina, então ele disse: “olha, então eu posso garantir o seguinte, o que eu tinha eu vou antecipar um pouco, como eu aumentei a minha produção diária de um milhão e meio para 5 milhões, eu vou antecipar um pouco o que eu já tinha para vocês”.

Só que como a produção está aumentando muito e essa, o Presidente mundial da Pfizer afirmou: “A solução não é tirar de um e passar para outro, a solução é produzir mais. Então eles passaram de um milhão e meio para 5 milhões por dia, e fazendo isso então deve haver mais vacinas para todos, inclusive para nós ali na frente.

Airton Cascavel, assessor especial do Ministro da Saúde Eduardo Pazuello continuou:

Nós tínhamos a previsão da Pfizer de 99 milhões de vacinas esse ano, que prevê o contrato. 2 milhões em Maio, 7 milhões em Junho e 10 milhões até o início do último trimestre, onde estão 60 milhões. O que que o presidente da Pfizer garantiu ao presidente Bolsonaro hoje…

a antecipação de 5 milhões do segundo semestre para Maio e Junho, ou seja, dos 9 milhões que nós tínhamos previsto, se incorporarão mais 5 milhões de doses, passando para 14 milhões de Maio, mas o mais importante dizer é que não apenas a Pfizer, também tem 30 milhões da Janssen, que o presidente está bem interado, no mesmo objetivo, uma reunião nesse sentido, mas nós tivemos para que todos entendam…

a Pfizer, se tivéssemos assinado contrato que não era permitido por causa das cláusulas, nós só teríamos 500 milhões em Janeiro, 500 milhões em Fevereiro e um milhão em Março, ou seja, de tudo aquilo foi 2 milhões a menos, que estão incorporadas em Maio agora. Outra coisa, nós em Janeiro e Fevereiro distribuímos 16 milhões de doses no país. Com a entrega de hoje, onde serão entregues mais 2 milhões e seiscentos, nós chegaremos a 20 milhões de entrega.

Mas temos mais 25 milhões até o final de Março vindas do Butantan, 3 milhões e oitoscentas que vem a Fiocruz e mais 3 milhões que vem da Covax que serão produzidas na Coréia do Sul, e no próximo mês de Abril, nós temos a previsão de 42 milhões de doses, sem contar aí aquelas que não estão aprovadas, o que é o caso sa Sputnik e da Barack Biontech.

Compartilhe:

PRÓXIMAS NOTÍCIAS