Foco do Brasil

Bolsonaro fala em reajuste do Bolsa Família e negociações com o Patriota Andreia Luiza Matias - 17/06/21 14:40

Imagem: Foco do Brasil

O presidente Bolsonaro disse, em conversa com apoiadores no Palácio do Alvorada nesta quinta-feira (17), que o Bolsa Família deve ser reajustado até dezembro. As negociações com novo partido também estiveram na pauta do presidente com os visitantes. Mais uma vez, Bolsonaro agradeceu ao agronegócio brasileiro por não ter parado durante a pandemia, ressaltou que não promoveu lockdowns e afirmou que o governo está lutando para aprovar o Homeschooling.

“O prejuízo da educação vai ser enorme porque a molecada, da escola pública, né, está há um ano e meio fora da sala de aula. Estamos trabalhando aqui para aprovar o ensino em casa. O tal de Homeschooling, que é o ensino em casa. Lógico que já começam alguns lobbys, das escolas particulares, contrários. Porque não é educação, né, é ensinamento, aprendizado.”

A proposta, que o presidente se refere, é o Projeto de Lei (PL) 3236/19, das deputadas Chris Tonietto (PSL-RJ), Bia Kicis (PSL-DF) e Caroline de Toni (PSL-SC), que tem como objetivo descriminalizar o ensino domiciliar para pais ou responsáveis que assim o desejarem e o ofertarem para crianças em idade escolar. O PL foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados no último dia 10 e deve ser votado no plenário da Casa.

Bolsonaro falou sobre a conclusão de obras de governos anteriores e em tom de ironia, o presidente parabenizou a conclusão de empreendimentos desses governos fora do país.

“Alguns me criticam porque eu estou concluindo obras do PT. Só que o PT, é verdade PT algumas obras eles concluíram sim. Agora, o PT não deixou obras inconclusas fora do Brasil. Lá ele começou e acabou. Vamos parabenizar o PT porque foi quase meio bilhão de reais que saiu do BNDES, meio bilhão não, meio trilhão do BNDES. Vocês estão pagando. A Petrobrás a gente paga também em torno de 20 bilhões por ano de desvios do passado, das refinarias.”

Bolsonaro confirmou que aceitou mais um convite para participar de uma motociata, desta vez no Rio Grande do Sul, em 10 julho.  

“No dia anterior vou estar em Caxias, visitar uma universidade lá, que está investindo no grafeno e mais uma atividade.”

Questionado sobre se filiar ao Patriota, o presidente manteve fez mistério.

“Você vai ficar curioso. Já imaginou eu no Patriota com o número 51? Aquele cara vai votar em mim”, afirmou o presidente aos risos e em seguida deu a entender que falta pouco para sua filiação ao partido.

“Já está bastante avançado. Tá quase certo aí, mas é igual a um casamento. Você tem que planejar bem para não dar problema.”

Bolsonaro voltou a falar sobre a roubalheira nas estatais em governos anteriores e o sucesso das mesmas empresas em seu governo. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes, foi elogiado pelo presidente, que destacou o desempenho do ministro nas pesquisas eleitorais para governador do Estado de São Paulo: “eu acho que tá numa pesquisa, agora, o Tarcísio para com governador de São Paulo 3%. Tá bom, né, primeira vez”, disse ele brincando. Ao ser questionado sobre Tarcísio ou Weintraub, Bolsonaro disse que não discutiria o assunto.

O presidente lembrou que Mandetta fez lobby para que as faculdades particulares pudessem fazer o Revalida (exame que subsidia o processo de revalidação dos diplomas de médicos que se formaram no exterior e querem atuar no Brasil).

“Chegou a proposta lá, tinha gente de toda a classe médica, eu percebi, conversei com o pessoal, o Mandetta queria que eu sancionasse, eu vetei. Daí o Mandetta, por trás, né, foi no Congresso, trabalho para derrubar o veto. Por quatro votos apenas, mantivemos o veto. Imagine, nós temos excelentes universidades particulares por aí, mas com toda a certeza ia ter uma ou outra servindo apenas para aprovar o Revalida.”

Bolsonaro afirmou que não acabou com o Programa Mais Médicos. Ele destacou que os médicos cubanos que foram embora, foram por opção. Disse ainda que prometeu asilo àqueles que escolheram ficar no Brasil e assim foi feito. Os que ficaram, ganharam asilo e fizeram a primeira etapa do Revalida e destacou que após a segunda etapa, os que forem aprovados serão tratados como todos os médicos do Brasil.

Sobre o Bolsa família, Bolsonaro afirmou que o valor está sendo negociado para aumentar 50%, até dezembro, por conta do aumento de preço dos alimentos.

“Alimento subiu no mundo todo e foi agravado pela pandemia do ‘fique em casa’. Se o pessoal do campo tivesse ficado em casa não teria inflação, teria desabastecimento. Eu vou botar um vídeo hoje, de dez minutos, um pouquinho longo, mas vale a pena ver como é que o agronegócio cresceu no Brasil com Alysson Paulinelli (ministro da Agricultura no governo de Ernesto Geisel), Geisel e Figueiredo.”

Compartilhe:

PRÓXIMAS NOTÍCIAS