Foco do Brasil

Bolsonaro diz que passaporte sanitário ‘não tem cabimento’ e se passar ele vai vetar Andreia Luiza Matias - 15/06/21 11:29

Imagem: Foco do Brasil

O presidente Bolsonaro conversou com apoiadores na saída do Alvorada, como de costume, na manhã desta terça-feira (15). Passaporte sanitário, multa ambiental, perseguição, lockdowns foram alguns dos assuntos comentados entre ele e os visitantes.

Uma visitante que se identificou como sendo de Recife disse que havia ido até o local para pedir ajuda, porque ela e a mãe estariam passando por muitas dificuldades. Após dizer que havia levado uma carta, o presidente comentou a situação difícil que muitos brasileiros estão passando por causa dos lockdowns.

“Eu não fechei nenhum botequim. Eu não tirei emprego de ninguém. Muito pelo contrário. Lamento a situação são milhões de pessoas com problemas, milhões de pessoas, mas alguém vai ler a carta.”

 O presidente instigou os visitantes a falarem sobre o passaporte sanitário aprovado pelo Senado. perguntou a um visitante o que ele achava do passaporte da covid.

“Tem pergunta aí? O que tua acha do passaporte da covid? Na onda, ontem aí, estourou nas redes sociais. A vacina vai ser obrigatória no Brasil? Não tem cabimento. Daí alguns falam: para você viajar você tem que ter um cartão de vacinação. Olha, cada país faça suas regras. Se para ir pra tal país, tem que ter tomado tal vacina e você não tomou, você não entra. Agora, nós fazermos, aqui, obrigar todo mundo a tomar vacina… Então eu não acredito que isso passa no parlamento. Se passar eu veto e o parlamento vai analisar o veto. Se derrubar aí é lei.”

O presidente falou sobre a Estação Ecológica de Tamoios, no Rio de Janeiro, considerada por ele a Cancún brasileira.

“Aquele decreto que demarcou a Estação Ecológica de Tamoios não pode ser revogado por decreto. Tem que ser uma lei. Se fosse decreto já teria resolvido o assunto. A Baía de Angra não vai para frente por causa deste decreto que demarcou a Estação Ecológica usando 29 acidentes geográficos, ilhas parciais, no raio de 1 km pra não fazer nada. Agora, quem vai lá, fim de semana à noite, pesca com bomba deita e rola, sem problema nenhum. Agora, o cara que quer pescar de varinha não consegue. Eu fui multado num dia que eu estava em Brasília. Chega esse ponto de eu ser multado, eu em Brasília fui multado na Baía de Angra pescando cocoroca, porque lá não tem peixe. Não tem peixe na Bahia de Angra só em mar aberto que você vai achar algum peixe, mas é a tal da perseguição. Inclusive, nesses vazamentos da vaza jato lembra? Tem lá a conversa de uma representante do Ministério Público de Angra dizendo que o deputado, na época era eu, tá lá, não cometeu nenhum crime, mas “nós tínhamos que enquadrá-lo e criminaliza-lo junto ao Supremo Tribunal Federal pelo péssimo exemplo dado, pescando de caniço na Baía de Angra”. Só que era um dia que eu não estava lá. Pescando de caniço, mas esse é o espírito de perseguição. É perseguição o tempo todo.”

O presidente aproveitou para falar que a perseguição não é só com ele, mas também com as pessoas que o cercam. Ele destacou, ainda, o malabarismo da velha mídia para tentar desmoralizá-lo, uma vez que seu governo deixou de liberar dinheiro para os veículos de comunicação como faziam outras administrações em anos anteriores.

“Não é de agora não, anos. Família, quem tá do meu lado, ministro agora sendo perseguido. Agora você vê Folha de São Paulo ou Estado de São Paulo, é a mesma coisa: Bolsonaro desvia 30 milhões da propaganda da covid, via Medida Provisória. Olha só, é desvia! Agora você deslocar recursos de um local pra outro, via medida provisória, é desviar recursos. Agora é dinheiro que saiu da imprensa, né. Alguém precisa de mais alguma propaganda de televisão sobre a covid ou todo mundo já sabe o que está acontecendo? perderam muito comigo. Os lucros da Globo foram lá pra baixo. Eu não estou perseguindo ninguém, o dinheiro é pra vocês. Não é pra pagar pra jornalista escrever mentiras ou pra jornalista deixar de chantagear o presidente. Vejam no passado sem as mídias sociais como era difícil você fazer um bom trabalho político. Você era refém desses caras. Te denunciavam por qualquer negócio, inventavam uma historinha, como inventam até hoje bastante. E você ficava sem chão. Era difícil retificar, corrigir aquela publicação mentirosa, por parte da imprensa. Até foi o Juca Chaves, se não me engano, que falou: a imprensa brasileira é tão séria, que se você pagar é capaz de eles escreverem a verdade. É duro conviver com esses caras. Vocês vão ver o que vai acontecer ano que vem, por ocasião das eleições. Me acusavam, no passado de racista, xenófobo, machista, não sei o quê, um montão de coisa. Agora, vão fazer uma dose muito maior.

 O presidente relembrou uma frase de Lula, que em 2020 disse: “Ainda bem que a natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado coronavírus porque esse monstro está permitindo que os cegos enxerguem e que os cegos comecem a enxergar que apenas o Estado é capaz de dar solução a determinadas crises. Essa crise do coronavírus… somente o Estado pode resolver isso”, afirmou o petista em entrevista à revista Carta Capital em maio do ano passado.

Por que eles não falam que o Lula falou “que ainda bem que a natureza criou o vírus? Lembra dessa aí? Eles não tocam no assunto, não tocam no assunto. Agora, eu não errei nenhuma. Não errei nenhuma, desde o começo. Tá aqui, gente com problema difícil, com toda certeza tá desempregado, perdeu tudo, tinha uma vida regular e com o “fique em casa, economia a gente vê depois” tão vendo aí a economia depois. Inflação tá aí, não nego”, afirmou o presidente que destacou que galinha e ovos estão com preços elevados por conta do preço do milho que também subiu.

“Inflação é no mundo todo. Agora imagine se o homem do campo tivesse ficado em casa! A gente não teria inflação, não. Teria desabastecimento. E agora são Paulo tá decidindo novos lockdowns. Qual objetivo do cara? Manda ele organizar um passeio de moto lá, pra ver se vai alguém com ele. Se bem que eu não organizei nada, fui convidado. Daí eu vi um cara de um programa da Jovem Pam aí, falando que tinham muitos motociclistas e foram lá só por causa do passeio. Eh! Tem uma marcha pra maconha, muitos vão lá só pra marchar. Não tem nada a ver com a maconha. Vamos marchar aí!”, disse o presidente em tom de ironia ao citar o apresentador que deu a entender que sua presença não influenciou na quantidade de pessoas durante o passeio.

Compartilhe:

PRÓXIMAS NOTÍCIAS