Foco do Brasil

Bolsonaro diz que país ainda não é o dos sonhos, mas está melhorando Andreia Luiza Matias - 10/06/21 11:32

Imagem: Foco do Brasil

Bolsonaro conversou nesta quinta-feira (10), com apoiadores na saída do Palácio do Alvorada. Ao ser elogiado por um visitante, que disse que ele é uma bênção, que o país tem muita coisa para melhorar e que essa transformação começou com ele, o presidente reagiu:

“Pessoal, tem muita gente melhor do que eu por aí, mas se for comparar nosso governo com quem nos antecedeu não dá para comparar. O pessoal não pode deixar se trair pela memória e esquecer o que o Brasil era há poucos anos”.

Bolsonaro também enfatizou que o Brasil ainda não é o país dos sonhos, mas está em processo de mudança.

“Até o parlamento, tem um deputado aí, que é um general, colega meu, mais antigo do que eu. Tenho que tomar cuidado”, disse Bolsonaro em tom de brincadeira. Em seguida destacou seu bom relacionamento com o presidente da Câmara: “O parlamento também vem melhorando. Acabei de tomar café com o presidente da Câmara, agora a pouco também. Que diferença com o outro presidente da Câmara, até agora. Aonde é que ele anda? Alguém sabe aí?”, questionou Bolsonaro ao se referir a Rodrigo Maia.

Sobre sua conversa com Arthur Lira, presidente da Câmara, Bolsonaro disse que conversaram sobre a definição do valor do ICMS no Brasil. Segundo ele, a pauta deve ser colocada em votação no parlamento na próxima semana.

“Quando eu assumi, o Temer já tinha deixado nominal e não aumentei esse imposto desde janeiro de 2019”, enfatizou o presidente, que falou ainda que quase todos os governadores, senão todos, aumentaram o ICMS durante a pandemia.

Um dos visitantes, fez uma referência a uma fala do presidente argentino, Alberto Fernandez, e questionou: “presidente é verdade que o senhor veio da selva?”

“Vocês não sabem o quê que é isso aí, né? O presidente da Argentina falou que eles vieram da Europa de barco e nós viemos da selva, né? Eu lembro uma coisa. Logo que o Chaves morreu, assumiu o Maduro e ele falava que conversava com os passarinhos, que estavam encarnados na figura do Chaves. Eu acho que o Maduro e o Fernandez para eles não têm vacina, tá ok?”, brincou Bolsonaro, que em seguida falou sério sobre a rivalidade entre o Brasil e o país vizinho.

“Troquei mensagem por zap hoje com o ex-presidente Macri, da Argentina, não tem nenhum problema entre nós e nem com o povo argentino. A rivalidade com a argentina só no futebol.”

Bolsonaro criticou a militância da velha mídia e suas narrativas para atacar o governo.  Lembrou que continuam insistindo que ele teria ignorado cerca de 70 e-mails da Pfizer para comparar vacina e lembrou da primeira pessoa vacinada no mundo, em dezembro de 2020.

“O quê que é normal? Onde estão sediadas essas fábricas, primeiro vende para o seu povo, depois para os outros. Continuam batendo na tecla: Bolsonaro ignorou 68 e-mails. É brincadeira! Eu tenho vergonha! Vocês viram a Folha de São Paulo? A economia está despiorando? Temos inflação em alimentos, temos. Mas, fique em casa e a economia a gente vê depois. Estão vendo aí, a economia. Se o pessoal ficar em casa, quem pode ficar em casa fica. Funcionário público, quem tem uma poupança gorda. Agora, a massa não tem não.

Compartilhe:

PRÓXIMAS NOTÍCIAS